Artigo

SELIC: o que você precisa entender sobre a decisão desta semana

[SELIC: o que você precisa entender sobre a decisão desta semana]
22 de Janeiro de 2021 às 13:04 Por: Divulgação Por: ACT Investimentos

A reunião do Comitê de Política Monetária esta semana apresentou mudanças importantes para a economia e para o Mercado Financeiro. O grupo pertencente ao Banco Central do Brasil (BCB), se reunindo 8 vezes ao ano para decidir os rumos da ação do BCB na economia, e, principalmente, define a taxa básica de juros do Brasil, a Selic. A conclusão da reunião da quarta-feira (20/01) foi de manutenção da Selic em 2% a.a. (ao ano), nível este que é o menor juros da história do Brasil. Mas a reunião do Copom apresentou um “Porém”, já que anunciaram o fim do "forward guidance”, uma política adotada durante a pandemia em que o BCB se comprometia a não aumentar os juros no curto prazo. Mas o que significa isto? De que maneira essa taxa de juros básica afeta no dia a dia das pessoas e na economia?

A Selic serve como taxa referência aos empréstimos que o Banco Central faz ao mercado financeiro, portanto afeta diretamente no custo de financiamento dos bancos comerciais, como Bradesco, Banco do Brasil e Itaú. Estes bancos comerciais, por sua vez, pegam estes empréstimos junto ao BCB, para equilibrar seus balanços financeiros, visto que em alguns dias podem acabar concedendo crédito demais, e não conseguem cumprir com algumas de suas obrigações. Ou seja, a alteração dos níveis de juros, conhecida como Selic, interferem diretamente no custo de financiamento dos bancos comerciais, o que, por fim, irá afetar no custo final do crédito que estes bancos (BB, Itaú, Caixa, Bradesco, etc.) concedem à população.

A taxa básica de juros, Selic, não impacta somente nos empréstimos, mas também nos títulos indexados a ela. Ou seja, nos títulos de dívida pública que o Estado brasileiro coloca ao mercado, buscando pessoas que estejam interessadas em comprar e assim financiar as contas do orçamento da União. Pessoas estas que podem ser os próprios bancos comerciais, ou você, basta ter interesse e verificar se o título traz uma rentabilidade boa. Estes títulos são essenciais para o funcionamento do mercado financeiro, e são um dos pilares do tipo mais seguro de investimento, que é a Renda Fixa (como já explicado em nosso último artigo - clique aqui!).

Estes investimentos estão no âmbito do Tesouro Direto, classificados então como títulos públicos de renda fixa. São emitidos pelo Tesouro Nacional, que é um órgão do governo federal, possibilitando assim que qualquer pessoa possa "emprestar" dinheiro para o governo através do investimento em um título no Tesouro Direto. A rentabilidade deste investimento conta com diferentes tipos, com alguns títulos atrelados à inflação e à taxa básica de juros, a Taxa Selic, além de outras opções com rendimento prefixado, definido por um indicador acordado em contrato.
 

Este tipo de investimento funciona como um empréstimo do investidor para o governo federal em troca de uma remuneração percentual. Para estes tipos de títulos temos três remunerações:

●    Prefixado: são os títulos em que de antemão já é acordada a taxa que você receberá no vencimento do título. A remuneração é constituída por uma remuneração fixa, determinada no momento da aplicação.

Exemplos na Tabela: Tesouro Prefixado 2023; Tesouro Prefixado 2026; Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2031.

●    Pós-fixado: estes títulos darão a você uma remuneração indexada por um indicador. Como o indexador, que comumente é a Selic, varia ao longo do tempo, você só saberá o valor exato da sua remuneração bruta no ato do resgate (no vencimento ou na venda do título).

Exemplos na Tabela: Tesouro Selic 2025.

●    Híbrida: estes títulos combinam os elementos das duas formas de remuneração anteriores, misturando assim taxas já acordadas desde o início, junto a algum índice de referência. Normalmente vemos esse tipo de título atrelado à inflação, ou seja, uma taxa prefixada mais a inflação do período. Preservando-se o poder de compra da pessoa que investiu no título.

Exemplos na Tabela: Tesouro IPCA+ 2026; Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2030.

Estes títulos ficam com você, investidor, e seus rendimentos podem ser resgatados ao vencimento do título ou, caso seja interessante no período, na venda no mercado financeiro para outros investidores. Neste último caso, se você tem um título prefixado que rende 5% a.a. e custa R$ 100,00, e 1 mês depois de sua compra, o Tesouro Direto muda a rentabilidade de outras vendas deste título para 4% a.a. ainda custando R$ 100,00, o seu título irá valer mais do que este novo. Pois, como foi acordado no início que a taxa seria 5%, ela não será alterada, e um investidor que quiser comprar este mesmo ativo financeiro, mas com a sua rentabilidade de 5%, terá que pagar um valor maior pelo seu título. Portanto, há muitos caminhos para se ter um alto retorno em renda fixa.

Para conhecer melhor estes diferentes tipos de investimentos, e saber em quais aplicar seu dinheiro, é essencial que você busque uma instituição financeira que lhe ajude a aprofundar seu conhecimento acerca do mercado, e lhe guie aos investimentos mais adequados e rentáveis ao seu perfil.  É por isso que você pode entrar em contato conosco e decidir quais a melhores opções para você. Somos a ACT Investimentos, uma empresa credenciada à XP Investimentos, e temos um time completo de assessores para conversar com você e buscar o tipo ideal de investimento para o seu patrimônio. 

Esse direcionamento é fundamental tendo em vista a perspectiva de alta da taxa de juros, a Taxa Selic, por boa parte do mercado financeiro e sinalizada pelo BCB com o fim do “forward guidance”, traz complexidades à escolha do título em que se deve investir. Títulos prefixados, como o Tesouro Prefixado 2023, tendem a perder valor de mercado quando a Selic sobe. Isto ocorre pelo fato de que, como são taxas acordadas ao início, elas se referenciam na taxa de juros básica do período de compra, que atualmente é a menor de nossa história. Portanto, em um cenário em que se espera a alta dos juros, os prefixados de hoje valerão menos do que os de amanhã. Já os títulos pós-fixados, como estão atrelados à Selic, eles sobem junto e se valorizam ainda mais, aumentando sua rentabilidade. Caso queira entender mais profundamente como isto funciona, entre em contato conosco!
 

Clique aqui e entre em contato com a ACT Investimentos.
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar