BNews Pet

OMS determina suspensão de vendas de animais vivos em mercados

[OMS determina suspensão de vendas de animais vivos em mercados]
13 de Abril de 2021 às 10:02 Por: Anthony Kwan/Getty Images Por: Redação BNews

A Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) determinaram, nesta terça-feira (13), que governos proíbam a venda de mamíferos selvagens vivos nos mercados de alimentos tradicionais em todo o mundo. As informações são do colunista Jamil Chade, do Uol.

Em comunicado, as entidades alertaram sobre os riscos de tais práticas e pedem que as medidas sejam adotadas como um protocolo de emergência. Nesta semana, a OMS alertou que a pandemia da covid-19 está "longe de terminar" e teme que novas variantes do vírus possam ganhar espaço. E, uma das formas de evitar novos surtos seria abafar canais de transmissão de vírus de animais para humanos. "Os animais, particularmente os animais selvagens, são a fonte de mais de 70% de todas as doenças infecciosas emergentes em humanos, muitas das quais são causadas por novos vírus", afirmam.

"Os mamíferos selvagens, em particular, representam um risco para o surgimento de novas doenças. Eles chegam aos mercados sem nenhuma maneira de verificar se transportam vírus perigosos. Há um risco de transmissão direta aos seres humanos a partir do contato com a saliva, sangue, urina, muco, fezes ou outros fluidos corporais de um animal infectado, e um risco adicional de pegar a infecção a partir do contato com áreas onde os animais são alojados em mercados ou objetos ou superfícies que poderiam ter sido contaminados com tais vírus", alertam as entidades.

A OMS admite também que os mercados tradicionais desempenham um papel central no fornecimento de alimentos e meios de subsistência para grandes populações. Mas insiste que "proibir a venda desses animais pode proteger a saúde das pessoas - tanto as que trabalham lá quanto as que fazem compras lá".

Mercado de Wuhan 
Uma das suspeitas dos órgãos da saúde era de que o mercado de alimentos de Wuhan, na China, teria sido a origem do surto da covid-19, no final de 2019. No entanto, a OMS concluiu que o vírus poderia estar circulando antes mesmo dos casos identificados no mercado. Desta forma, não haveria uma prova de que aquele seja o local do início da crise sanitária.

Uma das principais hipóteses é de que o vírus tenha sido levado por comerciantes ou clientes para o mercado, já que outros casos positivos foram identificados antes da eclosão do surto no local, sem qualquer relação com o mercado.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar